Entrevista com o prefeito de Viradouro, Cal Ribeiro

Hoje (23), Viradouro completa 99 anos. Nesta ocasião especial aproveitamos para publicar uma entrevista com o prefeito municipal, Cal Ribeiro.

Vale ressaltar que esta entrevista foi feita no início da administração de Cal Ribeiro, em janeiro deste ano.

Cal Ribeiro – Prefeito de Viradouro

  1. Nome completo, idade nascido em?

R: Antonio Carlos Ribeiro de Souza, 52 anos, nascido em Viradouro no dia 28/03/1964.

  1. Resumo da vida política.

R: Desde a adolescência fui engajado em movimentos estudantis, atuei como presidente de grêmio no ensino médio, participei de lutas para a melhoria do ensino e revisão de valores em mensalidade, quando membro do Diretório Acadêmico da UNAERP, ao cursar Engenharia Química, em 1989 filiei-me ao PT e até nos dias atuais participo da vida política do país, Estado e Município. Candidatei-me ao cargo de vereador pelo PT em 2004, mas como o partido não atingiu o quociente não fui eleito; em 2008, também pelo PT, fui eleito para o cargo de vereador, para o mandato 2009/2012; fui eleito para o cargo de vice-prefeito em 2012 pelo PT, para a gestão 2012/2016, período em que, desfiliei-me do PT para filiar-me ao PTB, tendo sido eleito prefeito por este partido no ano passado.

  1. O senhor era vice-prefeito na administração passada, e seria vice novamente. Como foi se tornar o candidato único às vésperas da eleição, após a renúncia de seu antecessor Maicon Lopes? E como foi a escolha de seu vice?

R: Estávamos no meio de um processo eleitoral, com candidatura única. Portanto, com a eleição garantida, mas o então prefeito e candidato Maicon, demonstrando um espírito de companheirismo, hombridade e pensando em nosso grupo político decidiu abrir mão de sua candidatura para evitar que um eventual impedimento jurídico,  colocasse a perder um projeto político de transformação do nosso município e, confiou a mim, dar continuidade ao projeto em que já estava engajado. Diante disso, nada mais justo caber a ele a indicação do vice, assim como escolheu seu sucesso, escolheu também o vice da chapa.

  1. Viradouro foi uma das poucas cidades que teve candidato único no pleito municipal. Mas, vimos que sua votação foi de aproximadamente 1/3 do total de eleitores, ou cerca de 40% dos votos computados, sendo que mais de 60% da população acabou votando branco ou nulo. A quê o senhor credita essa rejeição da população? Foram votos de protesto com sua candidatura, insatisfação contra a oposição por não ter lançado outro candidato, apego dos munícipes ao ex-prefeito? Qual sua opinião sobre isso?

R: Olha Ricardo, como você pôde observar, esse fato não ocorreu apenas na nossa cidade, porém em todo o país nessas eleições. Não foi um caso isolado de Viradouro, foi uma demonstração da insatisfação da população do país com a classe política. Veja bem: em São Paulo que é a maior cidade que detém o maior colégio eleitoral do nosso país, o prefeito João Dória foi eleito com 30% dos votos, mesma margem que eu; em Ribeirão Preto, a maior cidade do interior com exceção a Campinas, os candidatos que foram para o segundo turno, tiveram juntos menos que 50% dos votos dos eleitores, e no segundo turno, o prefeito Duarte Nogueira, foi eleito com apenas 34% dos votos dos eleitores. Foi um fenômeno que ocorreu em várias cidades de grande e pequeno porte em nosso país, teve cidade que o prefeito foi eleito com 15% dos votos dos eleitores.

  1. Agora, deixando para trás o período eleitoral, o senhor foi eleito prefeito e disse que vai governar para Viradouro, assim como dizia seu antecessor. Por isso, queremos saber, quais projetos da administração passada o senhor pretende dar continuidade, e quais seus principais projetos já para 2017?

R: Bem Ricardo, é notório que a administração do Maicon foi, se não a melhor que Viradouro já teve, foi uma das melhores, portanto, temos que dar continuidade em tudo que vem dando certo, como por exemplo: o programa de recuperação do piso asfáltico com recapeamentos, operações tapa buracos, que já temos em nosso cronograma a continuidade desde a segunda quinzena de fevereiro; finalizar as obras que estão em andamento, dentre as quais, o lago na entrada da cidade, as Creches Escolas, além de outras; reformar alguns prédios públicos, iniciando pelo Paço Municipal (Edifício da Prefeitura); o almoxarifado municipal e a Seção de Transportes; implantar alguns novos programas na área da Educação, Saúde e Saneamento Básico; e, no tocante à promoção e assistência social, implementar programas de capacitação através do CRAS; atuar firmemente para desenvolver e incentivar a criação e manutenção de vínculos familiares; buscar projetos para incentivar os adolescentes à integração na sociedade; enfim, fazer o possível para termos uma Viradouro melhor para todos nós, para tanto, conto com a União de todos os viradourenses, apontando os problemas e levando propostas para podermos dar seguimento a esse projeto de fazer uma Viradouro digna para todos.

Vice prefeito, Natal Lopes, o prefeito Cal Ribeiro e a primeira dama, Teresa, no curso de gestantes pró-nascer  (Foto: Juninho Cristal)
Vice prefeito, Natal Lopes, o prefeito Cal Ribeiro e a primeira dama, Teresa, no curso de gestantes pró-nascer (Foto: Juninho Cristal)
  1. Vimos que em muitas cidades os cofres públicos amargam intensos débitos. E os de Viradouro? Nossa cidade que há 4 anos tinha mais de R$9 milhões de déficit, conseguiu reduzir esta dívida? E como o senhor pretende fazer a gestão do caixa público durante sua gestão? Alguma chance de superávit?

R: Ricardo a situação de crise que o nosso pais vem vivenciando não é segredo para ninguém, problemas existem, mas tenho certeza que o Maicon me entregou a prefeitura em melhores condições do que as de outras cidades da nossa região. Hoje, o nosso município tem uma dívida de 2011/2012, que gira em torno de aproximadamente R$ R$2,6 milhões (dois milhões e seiscentos mil reais) e um precatório de aproximadamente R$ 700.000,00 (setecentos mil reais) para ser liquidado junto a funcionários, também advindo de uma administração anterior a do Maicon. O balanço da administração do Maicon apresentou um caixa saneado. Vamos fazer uma gestão com responsabilidade e respeito ao dinheiro público e, dentro das possibilidades, fazer as melhorias que nosso município precisa. Em se tratando de superavit primário, sem querer ser pessimista, nunca alcançaremos, principalmente na atual situação econômica do país, pois a arrecadação de nossa cidade é muito pequena e os repasses dos governos estadual e federal diminuíram muito nos últimos meses. Se analisarmos o superavit em si, nosso intuito é investir em melhorias, esse terá que ser o maior objetivo de nossa administração. Na administração pública não podemos admitir dinheiro em caixa, que equivale menos obras nas ruas e benefícios aos cidadãos.

  1. Em 2016 teríamos um concurso público com mais de 30 vagas, que foi suspenso no mesmo dia em que o executivo enviou ao legislativo o projeto que fixava em R$9.098,00 os subsídios para os secretários municipais. Há alguma possibilidade de um novo concurso público já em 2017?

R: Antes de qualquer coisa, Ricardo, estamos fazendo um levantamento em todos os setores e verificar reais  necessidades e, caso seja necessário, primeiramente é fazermos um remanejamento e reestruturação. Também será necessário fazer um estudo de impacto financeiro antes de se concretizar tal possibilidade. Para alguns setores poderemos de início, optar por processos seletivos para contratações temporárias caso realmente haja necessidade, evitando o inchaço da máquina pública com excesso de funcionários.

  1. No final de 2016 algumas medidas de contenção de custos foram adotadas, o que acabou afetando inclusive investimentos em educação no município, como a distribuição das apostilas escolares no quarto bimestre, e a suspensão do Fórum Permanente da Educação. Tudo isso ocorreu enquanto os subsídios de mais de R$9mil para os secretários foram aprovados. Para 2017, qual será o tratamento dado para a educação? Os materiais gratuitos e uniformes serão disponibilizados já no primeiro bimestre?

R: É um pouco difícil para quem não está habituado à gestão da coisa pública, entender certas decisões e aplicação do dinheiro. Mais especificamente no caso mencionado, não se pode misturar o pagamento dos Secretários com as verbas que são destinadas para Educação, Saúde, etc. Na coisa pública não é como ocorre em nossa casa, que tiramos o dinheiro que gastaríamos com o arroz e feijão, caso fiquemos doentes, para comprar os remédios. As verbas são específicas e obrigatoriamente são utilizadas ao fim a que se destinam. Considerando a Educação uma das prioridades, certamente muito se voltará a ela, tendo aprovado já a implantação de um novo projeto, denominado Mais Educação que atenderá mais de 500 crianças no município. Os materiais e uniformes gratuitos serão fornecidos, mas provavelmente não ocorrerá logo de início, pois dependem de licitação e confecção e dificilmente serão finalizados antes do primeiro bimestre.

  1. Sobre o transporte municipal, vimos que nos últimos anos houve uma renovação da frota de veículos, principalmente ônibus para o transporte estudantil, mas, o transporte urbano ficou esquecido. O Circular municipal enfrenta grandes problemas, além da redução de horários, segundo relatos de alguns de nossos leitores e conhecidos, alguns motoristas não cumpriam os horários nem o itinerário, e chegaram múltiplas reclamações de que o motorista que dirigia o ônibus no final do ano parecia insatisfeito, inclusive prestando um mau serviço aos idosos, parando o ônibus longe da calçada, dificultando o acesso aos que têm dificuldades de locomoção, fazendo alterações no itinerário por conta própria e até mesmo criticando os idosos que se utilizavam do transporte público para ir ao CCI (Centro de Convivência do Idoso). O senhor tem alguma boa notícia para as pessoas que, muitas vezes, acabam sendo privadas do direito de ir e vir, por falta de um transporte urbano mais digno, de melhor qualidade e maior circulação?

R: Uma das maiores dificuldades em se manter um transporte público adequado é a gratuidade. Para nós, poder público, sabemos que seria muito mais cômodo colocarmos o transporte urbano nas mãos de uma empresa que forneceria adequadamente o serviço, porém para isso, cobraria seus custos. Mas, voltando os olhos para nossa população, vemos que o nosso transporte público, ainda que precário, atende melhor à necessidade do povo, em vez de ter que desembolsar a tarifa, razão pela qual será mantido, buscando melhorias e solicitando que as reclamações sejam trazidas para a administração, a fim de que sejam os problemas solucionados ou minimizados, pois muitas vezes os problemas não são levados para o departamento competente. Temos também como meta a aquisição de um ônibus em melhores condições para esse serviço de transporte, não medindo esforços para que se concretize até o final do mês de fevereiro.

  1. Desde o final de 2016 o verão chegou e com ele, muita chuva. As ruas da cidade que não passaram pelo tapa buracos estão começando a ser afetadas, algumas delas no jardim das palmeiras e região dos lagos. Qual a previsão de uma nova tapa-buracos para Viradouro?

R: Conforme já mencionado na resposta da pergunta 5, quando falei da continuidade das obras, está em nosso cronograma o reinício na segunda quinzena do mês de fevereiro. Também temos em andamento novas etapas de recapeamento para várias localidades.

O prefeito de Viradouro Cal Ribeiro despachando em seu gabinte (Foto: Juninho Cristal)
O prefeito de Viradouro Cal Ribeiro despachando em seu gabinte (Foto: Juninho Cristal)

E finalmente, um espaço livre para que o senhor fale o que quiser. Algum assunto que eu tenha me esquecido de perguntar, e também, ao final, deixar sua mensagem para a população.

R: Sabemos que a gestão da coisa pública não é uma tarefa fácil, razão pela qual rogamos a Deus muita sabedoria para conduzir as ações e decisões a serem tomadas. A atuação do prefeito na condução do município também não é um ato isolado, precisamos da participação da população e temos principalmente que visar o bem comum, não as particularidades dos cidadãos, pois a devemos ter olhos para o bem comum, para a coletividade, onde os interesses necessariamente sejam de todos e, como vivemos em uma democracia, o interesse da maioria, pois dificilmente conseguiremos satisfazer a todos. Mais uma vez que enfatizo o que venho falando em todos os lugares que tenho estado: Preciso ajuda de todos para governar, com idéias, críticas construtivas, apontamento de problemas existentes e possíveis soluções, porque estamos UNIDOS PELO TRABALHO E CONFIANTES NO FUTURO.

Comemorando o aniversário de 99 anos de Viradouro, a população teve então a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o atual prefeito. Essa era pra ser uma série de entrevistas com os prefeitos das cidades da nossa região, mas, os prefeitos de Terra Roxa, Jaborandi, Colina, Bebedouro, Barretos, e Pitangueiras preferiram não responder às nossas questões. Por isso, a equipe Reconhecida agradece e parabeniza ao prefeito Cal Ribeiro pela sua participação e interesse em manter um bom relacionamento com a imprensa, e desejamos uma boa gestão, assim como um feliz aniversário para nossa querida Viradouro! Confira a homenagem da prefeitura!

Ricardo Januário

Formado em jornalismo como aluno destaque da turma,técnico em Informática, Administração, Secretariado, Informática para Internet e Especialista em Java, Com formação plural sou programador, apaixonado por economia, filosofia e sociologia. Quase um viciado em informação, gosto de compartilhar conhecimento livremente com aqueles que têm interesse em absorver algum conteúdo, no mínimo, curioso.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: