[Crítica] O Justiceiro (Marvel's The Punisher) da Netflix

Cada série da gigante dos quadrinhos foca em um determinado tom, então, qual será o The Punisher? Descubra agora.

Não basta sua empresa ser conhecida, ela tem que ser Reconhecida!

Primeiramente prometo que vou dar o mínimo possível de spoilers, quase nenhum diria.

Sabe aquele tom sombrio e tenso presente nas séries da Marvel para o Netflix? Pois bem, se existe um padrão para as séries produzidas pelos estúdios ABC/Disney para este serviço de streaming, podemos dizer que esta série está reformulando.

Cada série da gigante dos quadrinhos foca em um determinado tom. Daredevil nas sombras da justiça, Jessica Jones com conflitos internos, Luke Cage na representatividade, Iron Fist (ainda estou tentando achar o foco dele), The Punisher está aí mostrando que o passado sempre volta e que temos que saber lidar com isso.

A série, inicialmente, é um pouco parada, abusa em demasia dos flashbacks e a história do primeiro capítulo, você fica esperando vir aquela narração presente em Narcos, atrevo-me a dizer que o primeiro capítulo só faltou o Wagner Moura travestido de Pablo Escobar e a abertura tocar “Tuyo” de Rodrigo Amarante.

Mas isso de primeiro impacto, pois vale a pena insistir pelo menos até o final do primeiro episódio, ali que ela vai te pegar, mostrando que não é aquela coisa arrastada aos próximos episódios.

A série tem um toque do tom investigativo com as poucas cenas de pancadaria, sendo as mais violentas já vistas nas séries Marvel, o que acaba compensando.

O link com outras séries não vem da enfermeira Clair, como ocorre em todas as demais, mas com outro personagem da série DareDevil, que não vou falar, pois prometi que não daria spoilers, porém se faz necessário comentar este fato, pois mostra que a Marvel está querendo realmente arriscar, sair do senso comum, e provar que outros personagens também são importantes.

A pergunta que todos fazem “faz menção aos filmes anteriores do Justiceiro, ou tem alguma história parecida?” a resposta é simples, tirando a origem do personagem, nada tem relação direta aos filmes protagonizados por Thomas Jane.

Assim como já percebido pelas anteriores, melhor não ter criança perto, até mesmo por sua classificação indicativa ser 18 anos.

Divirtam-se amiguinhos, lembrando que a primeira temporada está disponível inteirinha para você se divertir.

Até a próxima!

Tchau!

Coach de Carreira, Professor, Palestrante, Geek, Cinefilo e revendedor Jequiti e Ambev… Pois não existe mulher feia, existe mulher que não conhece os produtos Jequiti, ou o homem que bebeu pouco mesmo…